Como melhorar as práticas agrícolas e apícolas em benefício da saúde das abelhas?

Diante do Crescente interesse sobre a saúde das abelhas e os polinizadores em geral, a CropLife Latin America cria este curso que promove a comunicação e cooperação entre apicultores e agricultores. Disponível em www.cursos.croplifela.org

 

Banner cursos port

 

20 de setembro de 2017

Agricultores, engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas, apicultores, autoridades e todos os interessados em proteger a saúde dos polinizadores poderão acessar gratuitamente o curso virtual Boas Práticas Agrícolas e Apícolas para a Saúde dos Polinizadores.

Em três módulos, o curso oferece informações sobre o benefício mútuo da agricultura e apicultura como atividades complementares para uma boa quantidade de cultivo, aborda fatores que podem afetar a saúde das abelhas melíferas e disponibiliza uma lista completa de atividades para que apicultores e agricultores adotem novos hábitos que protejam as abelhas, um deles, e talvez o mais importante, é uma maior comunicação e cooperação entre as duas atividades.

Ainda que sejam múltiplos os fatores que podem afetar a saúde dos polinizadores, as práticas apícolas e agrícolas inadequadas, são praticamente a primeira causa que gera acidentes de perda de abelhas ou colmeias na América Latina. Por esta razão, apostamos na educação e capacitação, porque estamos convencidos de que com melhores hábitos, os agricultores e apicultores podem proteger as abelhas e ter uma relação mais produtiva, assegura José Perdomo, presidente da CropLife Latin America.

Identificamos que, em muitos países da América Latina, não há comunicação entre apicultores e agricultores. Esta situação ocorre muitas vezes por razões culturais, especialmente em zonas onde a população teme as abelhas africanas. Isto faz com que alguns apicultores decidam não informar a seus vizinhos da localização das colmeias. A consequência: acidentes com perda de abelhas, porque os agricultores fazem a aplicação de pesticidas para proteger o cultivo das pragas, sem ter conhecimento de que seus vizinhos têm colmeias próximas, acrescenta Perdomo.

Plantios como morangos, abacate são altamente dependentes da polinização, que podem aumentar sua produtividade em até 35% com uma boa polinização. Ao mesmo tempo, as abelhas que polinizam estes plantios, recebem o néctar e o pólen de suas flores como alimento. O que evidencia a relação beneficiadora que pode existir entre apicultores e agricultores.

É importante que os agricultores conheçam os polinizadores que habitam em seu terreno, lote, chácara ou fazenda, tenham conhecimento de seus hábitos e os protejam com cercas vivas de plantas com flores que forneçam alimento.

Os apicultores devem conhecer que tipo de cultivo é plantado em sua região, se assegurar de que a localização de suas colmeias cumpre com os requisitos mínimos de alimentação para suas abelhas, fazer o controle sanitário das colmeias para prevenir o varroa, o principal inimigo das abelhas.

Alguns dados:

  • Os polinizadores são necessários para conservar a biodiversidade, 90% das plantas que florescem dependem da polinização realizada por animais.
  • 1/3 do cultivo de alimento do mundo depende da polinização.
  • Desde 1995 a população de abelhas melíferas tem aumentado em 26%.
  • São múltiplos os fatores que afetam a saúde dos polinizadores, as mudanças climáticas, a redução de habitat, o ácaro varroa, as inadequadas práticas apícolas e agrícolas, dentre outros.

Do que se trata a polinização a domicilio, quais são os benefícios de uma boa polinização, como a mudança climática afeta as abelhas, quais cultivos são altamente dependentes da polinização, por que os apicultores devem informar às autoridades a localização exata de suas colmeias? Compreenda isto e muito mais no curso Boas Práticas Agrícolas e Apícolas para a Saúde dos Polinizadores em www.cursos.croplifela.org

Na plataforma de cursos virtuais da CropLife Latin America foram capacitados mais de 11.000 pessoas nos últimos 5 anos em assuntos relacionados com as Boas Práticas Agrícolas e na aplicação responsável de pesticidas ou produtos fitossanitários.