Equipamento de Proteção Individual (EPI) para a aplicação de agroquímicos

MAP. Jaime Brenes Madriz, Eng. Agro
Instituto Tecnológico de Costa Rica
Laboratorio de Biocontrol, Escuela de Biología 
Outubro de 2017*

Para obter êxito na produção, é necessário cumprir uma série de fatores que vão, desde a preparação do solo, a qualidade da semente, a aplicação de agroquímicos, os cuidados com o plantio e a colheita.

Aplicação correta dos agroquímicos em todas as categorias (fungicidas, inseticidas, herbicidas e demais grupos), nos permite obter uma colheita de qualidade. A aplicação correta destes produtos, seguindo as recomendações técnicas ou a experiência do agricultor, ajudam na obtenção exitosa no desenvolvimento das culturas, tanto as raízes, como também de superfície, uma vez que protegem do ataque dos patógenos e fornecem nutrientes.

Como todos os produtos químicos, a não utilização das medidas preventivas correspondentes e os equipamentos de segurança, podem resultar em problemas. Dentre os problemas que podem ser ocasionados no corpo humano por um agroquímico, temos:

  • Sintomas de intoxicação por pesticidas:

    • Náusea, dor de cabeça, tontura, dores no peito, bolhas na pele, diarreia, visão turva.

  • Sintomas de intoxicação avançada:

    • Vômito, dificuldade para respirar, pupilas dilatadas e inconsciência.

Todas as embalagens de pesticidas devem conter um rótulo, o qual deve indicar as instruções no idioma do país onde o produto foi registrado, além disso, deve indicar os equipamentos de proteção individual que devem ser utilizados na aplicação e os cuidados após a aplicação.

Os responsáveis pelo plantio devem avaliar inicialmente se há a necessidade da aplicação de pesticidas, uma vez que a decisão for pela aplicação, escolha o produto que seja eficaz contra a praga que se quer combater e considere minimizar os riscos para o aplicador e ao meio ambiente. A compra dos agroquímicos deve ser feita em local autorizado para esta finalidade, deve contar com um engenheiro agrônomo ou um técnico capacitado para recomendar a melhor alternativa para o problema a ser resolvido.

A escolha e a compra dos equipamentos que serão utilizados para a aplicação do pesticida é importante. Por exemplo, podem ser encontrados diversos equipamentos de pulverização no mercado, porém, os mais baratos às vezes não são os mais indicados do ponto de vista da segurança. Podem ser de péssima qualidade e ocasionar vazamentos. Isso vale também para a escolha do equipamento de proteção individual (http://training.itcilo.it/actrav).

O período para realizar o trabalho, particularmente em climas quentes, é importante neste caso, por exemplo, a pulverização de agroquímico deve ser realizada nas horas mais frescas do dia.

Todos que manipulam pesticidas (aplicadores, misturadores/carregadores) têm a obrigação legal de seguir todas as instruções de EPIs que aparecem no rótulo do produto. No rótulo são indicados quais os EPIs mínimos devem ser utilizados para a aplicação de pesticidas.

A seguir, detalhamos os diferentes equipamentos que podem ser utilizados para a proteção dos aplicadores.

Higiene pessoal

A higiene pessoal tem como objetivo manter o corpo limpo e não deixar que nenhum elemento nocivo permaneça por um longo período de tempo, uma vez que pode ser absorvido pela pele. É igualmente importante evitar inalar ou ingerir pequenas quantidades, mesmo que insignificantes, de agroquímicos, por conta dos efeitos nocivos à saúde.

As normas básicas de higiene pessoal na manipulação de agroquímicos são as seguintes:

  • Evitar a exposição aos agroquímicos seguindo as recomendações indicadas e utilize roupas e equipamentos de proteção quando necessário.
  • Lavar minuciosamente as partes expostas do corpo após o trabalho, antes de comer, beber ou fumar, e após a utilização do banheiro.
  • Examinar o corpo regularmente para se assegurar de que a pele está limpa e saudável.
  • Proteger qualquer parte do corpo onde haja cortes ou inflamação.
  • Evitar auto contaminação a todo o momento, particularmente quando na descontaminação ou na remoção da roupa de proteção.
  • Evitar situações de risco, como soprar o bico do pulverizador para desbloqueá-lo (utilize um instrumento para esta finalidade).
  • Não portar itens contaminados como panos sujos, ferramentas ou bicos de troca nos bolsos da roupa de proteção.
  • Retirar e lavar separadamente todos os dias a roupa de proteção individual contaminada.
  • Manter as unhas de todos os dedos limpas e cortadas.
  • Evitar a manipulação de qualquer produto que cause reação alérgica, como uma erupção cutânea.

Abaixo, são indicadas outras medidas de higiene que devem ser respeitadas:

  • Ainda que no rótulo do produto não especifique o uso de roupa de proteção, procure cobrir o corpo o máximo possível, utilizando roupas leves, por exemplo, camisas de manga longa, um chapéu ou uma toalha na cabeça, calça de tecido comprida (melhor que de plástico ou material similar que possa causar desconforto);
  • Buscar assessoria sobre os agroquímicos que não requeiram o uso deste tipo de roupa. Lea o rótulo, e antes de comprar, pergunte ao fornecedor.
  • A maioria dos agroquímicos causam riscos ao usuário, que devem ser evitados tomando as precauções técnicas de controle. Quando as medidas acima mencionadas não forem suficientes, cabe a utilização de equipamento de proteção individual.

Normalmente, a roupa utilizada pelo trabalhador não é considerada como EPI, uma vez que são de tecido, que absorvem qualquer vazamento de pesticida. O aplicador deve fazer uso de trajes de uma única peça, ou duas, a parte de cima, que fica sobre a calça e nunca deve ser colocada por dentro da parte de baixo, estes trajes devem ser feitos de material sintético, impermeável, e devem ser ajustados ao corpo e não devem apresentar aberturas além das necessárias (mãos, pés e cabeça). As botas e aventais destinados a resistir à contaminação por concentrados devem ser igualmente resistentes. Macacões ou aventais devem ser impermeáveis quando o usuário estiver sob uma árvore na pulverização dos frutos. Se a exposição a respingos ocasionais, pó seco ou grânulos, um macacão feito de material têxtil como algodão tratado ou poliéster, deve servir.

Aplicacao agroquimicos 2

Retirado de: gastonmeza/uso-seguro-de-agroquímicos

 

Proteção para a cabeça

A cabeça pode ser protegida por uma única peça ou como parte de um macacão com capuz. A vantagem na combinação deste tipo de roupa, garante a proteção do pescoço e impede que o agroquímico derramado sobre o capuz suje a roupa de trabalho utilizada por baixo. A proteção da cabeça deve cobrir todas as partes acima dos ombros, exceto o rosto. O material utilizado deve ser resistente à penetração de agroquímicos.

Proteção dos olhos e rosto

Deve-se utilizar uma máscara que cubra todo o rosto até abaixo da mandíbula para proteger contra respingos acidentais de líquidos perigosos enquanto os recipientes são abertos ou ao despejar o líquido. Utilizar óculos transparentes ao manusear pós e grânulos.

 

Equipo Proteccion Personal Ojos y Cara

 Retirado de: http://www.agro-tecnologia-tropical-com

Proteção respiratória

As máscaras de proteção respiratória podem cobrir a metade do rosto, o nariz e a boca, ou todo o rosto, ou seja, nariz, boca e olhos. Sua função é impedir a inalação de substâncias agroquímicas perigosas. Um dispositivo de filtro na máscara remove substâncias perigosas por absorção, adsorção ou simples filtração. A filtração é realizada por um filtro metálico. Em se tratando de agroquímicos altamente perigosos, o ar é filtrado por um tubo ou filtro que contém outras substâncias químicas (carvão ativado) que fixam as partículas perigosas. O usuário deve se assegurar do ajuste correto da máscara no nariz e na boca e de que tenha recebido as informações corretas e necessárias sobre a utilização e manutenção. Os tubos devem ser renovados periodicamente e as máscaras devem ser substituídas regularmente para garantir sua eficácia.

Tipos de máscaras utilizadas na aplicação de agroquímicos:

Equipo Proteccion Personal MascarillaEquipo Proteccion Personal Mascarillas

Luvas de proteção

As luvas são necessárias quando há a manipulação de agroquímicos concentrados, particularmente pesticidas. É muito comum sua absorção pela pele ou que causem queimaduras. Devem ter pelo menos, 0,4 mm de espessura, sem perder a flexibilidade para tarefas simples como a abertura de recipientes ou a mudança de bico. O tipo de luva para uma atividade específica dependerá do agroquímico e do tempo de contato. Por exemplo, podem ser utilizadas luvas que cubram os punhos para a aplicação convencional de pesticidas tóxicos, luvas que chegam até os cotovelos para a manipulação de grânulos e luvas que chegam até o ombro para a imersão de plantas em pesticidas. Geralmente, luvas fabricadas com neoprene, nitrila ou viton não podem ter espessura inferior a 0,4 mm, para resistirem a maior parte dos agroquímicos. As mangas dos macacões devem ficar sobre as luvas, para que os respingos de pesticida caiam no solo e não dentro das luvas.

 

Equipo Proteccion Personal Guante

Retirado de: www.agro-tecnologia-tropical.com 

Roupas de trabalho

São roupas pessoais utilizadas na realização do trabalho na manipulação de agroquímicos. Incluem, camisas, calças, saias, meias, sapatos ou botas. Em várias ocasiões os itens de vestuário serão a principal cobertura da pele, por exemplo, na utilização de produtos de baixo risco, aplicados no tratamento de animais.

As roupas de trabalho utilizadas na manipulação de agroquímicos devem ser mantidas sempre limpas, lavadas imediatamente após sua utilização. As roupas contaminadas com agroquímicos podem causar um envenenamento ou irritação na pele.

Geralmente as roupas de trabalho devem:

  • Ser confortáveis, permitindo livre movimento do corpo e dos membros sem maiores dificuldades;
  • Utilizadas pela mesma pessoa todos os dias e não haver trocas entre indivíduos;
  • Estarem em bom estado, costuradas ou remendadas, quando necessário;
  • Estarem limpas e desprovidas de depósito de agroquímicos. Uma roupa de trabalho suja deve ser limpa separadamente da roupa familiar;
  • Utilizadas sob a roupa de proteção, desde que estejam completamente cobertas e não expostas a contaminação acidental.
  • Guardadas separadamente da roupa de proteção para evitar contaminação cruzada.

 

Equipamento protecao

Retirado de: www.agrovoz.lavoz.com.ar 

 

Bibliografia:

*Todos os direitos reservados.

O conteúdo aqui compartilhado é de propriedade da CropLife Latin America e gozam da proteção de direitos autorais. Sua reprodução, adaptação, distribuição, comercial ou não, por qualquer meio, impresso ou digital, sem o prévio consentimento por escrito da CropLife Latin America é proibido.

Termos e condições de uso.

A finalidade deste artigo é fornecer informação. Em nenhum momento o conteúdo tem a pretensão de assessoria técnica ou profissional. A CropLife Latin America e seus associados, tanto empresas como associações, não se responsabilizam por perdas ou danos a pessoas ou materiais, presentes ou futuros, provenientes da utilização ou interpretação das informações contidas neste documento. O leitor deste documento o faz sob sua responsabilidade e deve se submeter ao responsável técnico para assessoria, independentemente e individualizada em caso de dúvida.