A importância das decisões baseadas na ciência em relação ao uso dos defensivos agrícolas 

 

A perspectiva da CropLife Latin America sobre as desvantagens do Princípio da Precaução em contraposição à Avaliação de Risco. Enquanto o Princípio da Precaução promove decisões baseadas exclusivamente no perigo de uma atividade ou tecnologia, a Avaliação de Riscos promove decisões baseadas em análises científicas, abre a possibilidade de gerenciar riscos e facilita a entrada de novas tecnologias. 

04/20/2020

PiezaOs produtos de proteção de culturas são ferramentas indispensáveis ​​para o agricultor, sem os quais a sustentabilidade e a segurança alimentar seriam colocadas em risco. As empresas membros da CropLife Latin America1 desenvolvem as melhores tecnologias de acordo com o estado da ciência. Essas empresas revisam continuamente suas tecnologias na região e, à medida que o conhecimento científico das tecnologias existentes e alternativas avança, desenvolvem novos produtos, alinhados ao compromisso com a inovação agrícola focada na saúde e na produção sustentável.

A partir desta perspectiva, defendem-se regulamentos baseados em rigoroso conhecimento científico, validado de forma independente e amplamente apoiado pelo consenso majoritário de cientistas em todo o mundo. É esse tipo de conhecimento que constitui a base para a tomada de decisoes derivadas da avaliação científica do risco: quanto maior o risco, maiores os requisitos de mitigação do mesmo e maior o escrutínio regulatório.

A avaliação de riscos resume o estado da ciência para que a sociedade alcance os benefícios de uma agricultura que ajuda os países a ter segurança alimentar e fortalecer seu desenvolvimento econômico.

Contrariamente a essa visão, é colocado o princípio da precaução que afirma que, quando os riscos associados a uma atividade específica são, em certa medida, indeterminados ou não totalmente compreendidos, o pior cenário possível deve ser assumido e essa atividade deve ser evitada. Com base na identificação de perigo, isto é o medo ao perigo, o princípio da precaução baseia-se em desconhecer que as pessoas são capazes de gerenciar o risco associado a um perigo e tomar suas próprias decisões em relação a este último. As implicações e o escopo desse tipo de raciocínio são importantes. Por exemplo, os medicamentos não poderiam ser usados ​​para tratar doenças, pois todos apresentam algum nível de toxicidade e contra-indicações. Outro exemplo seria não tirar proveito das plantas, uma vez que elas produzem uma grande quantidade de substâncias químicas naturais que cumprem várias funções metabólicas e fisiológicas, todas com vários níveis de toxicidade e a maioria apenas parcialmente caracterizadas cientificamente. Da perspectiva do princípio da precaução, não poderíamos tirar proveito das plantas para produzir alimentos, medicamentos ou materiais, como têxteis, elementos de construção, biocombustíveis ou qualquer outro uso humano das plantas e seus derivados.

O princípio da precaução foi introduzido em vários instrumentos de organizações e tratados internacionais2. Na América Latina, organizações e pessoas radicais anti-inovação continuamente pressionam campanhas políticas e na mídia de desinformação e medo para manipular o público em favor do princípio da precaução, o que inibe a inovação ou o desenvolvimento de novas tecnologias. É claro, é muito mais fácil defender a premissa de "é melhor prevenir do que remediar" em assuntos relacionados com a saúde ou o ambiente. É politicamente muito mais difícil explicar e convencer o público e certos tomadores de decisão de que não existem atividades no mundo cujo risco absoluto seja zero.

Quando o princípio da precaução é estabelecido como base para decisões regulatórias e políticas públicas, ele obriga as autoridades a tomar decisões que vão desde restrições à proibições com base no perigo inerente a qualquer atividade ou tecnologia. Em outras palavras, ele autoriza as autoridades a tomar decisões baseadas na ideologia e não na ciência, limitando efetivamente a liberdade das pessoas para avaliar o risco das atividades e decidir como gerenciá-lo.

O setor de proteção de culturas representado pela CropLife Latin America promove a tomada de decisões baseadas na ciência. Com total transparência, apoiamos as autoridades reguladoras e legislativas, bem como o público em geral, a aumentar sua compreensão e capacidade para esse tipo de discussão e análise que levam aos países a avançar no caminho da inovação, a competitividade e a sustentabilidade de suas nações.

Recomendamos a todas as pessoas, instituições e autoridades na América Latina que confiem que o estado da ciência e o conhecimento científico, aumentando continuamente3, são a única base na qual decisões racionais podem ser tomadas que nos permitam melhorar as condições de saúde, meio ambiente e desenvolvimento sustentável da sociedade.

 Pode lhe interessar: Curso sobre a Gestão e Mitigação de Risco de Defensivos Agrícolas


www.croplifela.org

2 The Ten Principles of the UN Global Compact. https://www.unglobalcompact.org/what-is-gc/mission/principles

3 El Paradigma de Evaluación de Riesgo del Consejo Nacional de Investigación. Agencia de Protección Ambiental de los Estados Unidos. Consultado en Abril de 2020. https://www.epa.gov/fera/nrc-risk-assessment-paradigm